terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Capital ganhará nove shopping centers até 2014

27/12/2011 - Jornal da Tarde

Em dois anos e meio, a cidade de São Paulo ganhará mais nove shopping centers, num total de R$ 1 bilhão em investimentos e mais de 1,3 mil lojas. Em todo o Brasil, serão 113 estabelecimentos inaugurados até 2014, criando 20 mil lojas. E há previsão de expansão em shoppings já existentes.

“O comércio de rua não vai acabar. Mas o shopping, hoje, oferece conforto, segurança e serviços que vão de faculdade a posto de gasolina e laboratório”, diz Nabil Sahyoun, presidente da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop).

Desde 2007, foram investidos R$ 7 bilhões na construção de shopping centers pelo País. Nos próximos anos serão mais R$ 5 bilhões. Para Sahyoun, prefeitos de cidades com população acima de 100 mil habitantes perceberam que é mau negócio não ter um shopping. “Porque no município ao lado tem e as pessoas vão gastar lá. E a cidade perde em renda, empregos e movimentação da economia.”

Os empregos em lojas e na operação dos shopping centers cresceram 7,4% de 2010 para 2011, passando de 1,150 milhão de contratados. Do total de frequentadores que circulam mensalmente em shoppings, 54% são mulheres e 46% homens.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Concessionária inicia terceira etapa das obras do Rodoanel, em SP

23/12/2011 - Portal Transporta Brasil, Por Bruno Martins

Lançamento da obra foi realizado na quarta-feira (21) com a presença do governador Geraldo Alkmin e do Secretário de Logística e Transporte do Estado, Saulo de Castro

A Concessionária SPMAR iniciou, na quarta-feira (21),  a terceira etapa das obras do Trecho Leste do Rodoanel Mario Covas com a construção do Túnel Santa Luzia.

O inicio das obras se deu às 10h, com a primeira detonação na Pedreira Santa Clara, localizada na Avenida Santa Clara, 1.313, em Ribeirão Pires (SP).

A cerimônia contou com a participação do Governador Geraldo Alckmin, do Secretário de Logística e Transporte do Estado, Saulo de Castro e da Diretora Geral da Artesp, Karla Bertocco, entre outras autoridades.

De acordo com a concessionária, toda brita resultante da detonação e das escavações será utilizada na construção, tanto nos pavimentos asfálticos, como de concreto.
O material das detonações, geralmente descartado, será reaproveitado, evitando trânsito de caminhões e consequentes emissões pelas ruas das cidades próximas.

Para a segunda quinzena de janeiro, já está previsto o início da próxima etapa das obras, que ocorrerá na cidade de Suzano (SP).

domingo, 18 de dezembro de 2011

Expansão de shoppings se volta para a região dos Jardins em SP

18/12/2011 - Folha de São Paulo

A região da avenida Paulista, em São Paulo, vai ganhar quatro novos shoppings nos próximos três anos. Com os novos empreendimentos, cresce a preocupação de congestionamentos maiores e ameaça ao tradicional comércio de rua e à qualidade do espaço público.

A informação é da reportagem de Vanessa Correa publicada na edição deste domingo. A reportagem completa está disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha.

Até 2014 estará pronta a Torre Matarazzo, com seus cinco pavimentos de shopping, no coração da avenida, na esquina com a rua Pamplona. A uma quadra dali, haverá ainda o complexo de hotéis de luxo, cinemas, teatro e lojas a ser construído no antigo hospital Umberto Primo.

Adriano Vizoni/Folhapress

Terreno da Torre Matarazzo, na esquina da av. Paulista com a rua Pamplona, onde haverá novo shopping
A duas quadras da Oscar Freire haverá outro shopping, menor, com 60 lojas e 200 vagas de garagem, integrado ao hotel Fasano. Na própria Oscar Freire, "um grande complexo de uso misto", que a Reud-Brazil, que toca o projeto, ainda não divulgou.

Especialistas têm opiniões diversas sobre os novos estabelecimentos comerciais. Para alguns, shoppings são uma oportunidade para levar empregos a áreas mais periféricas e evitar que trabalhadores tenham de cruzar a cidade todos os dias. Outros acham que a Paulista é o melhor lugar para comportar os novos imóveis.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Licitação do Rodoanel Norte é suspensa

13/12/2011 - O Estado de São Paulo, Por Bruno Ribeiro

Tribunal de Contas do Estado interrompe processo que começaria às 14 horas de hoje

A licitação do Trecho Norte do Rodoanel, que estava marcada para começar hoje, foi suspensa por ordem do Tribunal de Contas do Estado (TCE).
Uma das empresas que queria participar do processo questionou as exigências feitas pelo governo do Estado para qualificar os interessados na obra e deu prazo para a estatal Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa) se explicar.
A obra é a última etapa do Rodoanel. Os trabalhos estão previstos para começar no primeiro semestre do ano que vem.

A pista ligará o atual Trecho Oeste ao Trecho Leste, ainda em construção, e terá saídas para a Marginal do Tietê e para o Aeroporto de Cumbica, passando, por túneis, pela Serra da Cantareira.

Orçada em aproximadamente R$ 6,5 bilhões, é a principal obra rodoviária prometida pela gestão Geraldo Alckmin (PSDB).

É a segunda vez que o TCE avalia um questionamento dessa natureza, segundo a Dersa. O argumento é de que as exigências do Estado seguem, irregularmente, regras do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que financia a obra.
É permitido, pela Lei de Licitações (Lei Federal 8.666), que o Estado siga regras internacionais quando o financiamento de uma obra vem de recursos do exterior.
Mas tanto a construtora Galvão Engenharia, que entrou com a representação no TCE, quando a construtora Cetenco, que havia feito o mesmo na semana passada, argumentam que o Estado ainda não conseguiu o financiamento do BID. Portanto, não poderia seguir as regras da organização internacional.

As regras do BID exigem que as empresas sejam de maior porte e, assim, possam dar mais garantias financeiras de que conseguirão executar o projeto, entre uma série de exigências.
O empréstimo do BID foi confirmado pelo banco em novembro, mas os recursos ainda não estão disponíveis. Em nota, a Dersa afirma que a ordem do TCE “será enfrentada pela empresa, que apresentará esclarecimentos nas próximas 48 horas”.
“A Dersa acredita que solucionará rapidamente os entraves, uma vez que a representante que solicitou o exame prévio perante o TCE já teve o indeferimento judicial de pedido similar”, segue o texto.

Concorrência

Paralelamente à decisão do TCE, a 3.ª Vara da Fazenda Pública permitiu, também ontem, que a Cetenco participasse da licitação, mas seguindo as exigências da Lei 8.666.
Na decisão, o juiz Luis Fernando Camargo de Barros Vidal afirma que a falta do contrato com o BID e da autorização do Senado para o financiamento (obrigatório nesse tipo de empréstimo) “não constituem óbice ao lançamento do edital e à tramitação do certame, desde que considerado que o cronograma administrativo evidentemente contempla o aperfeiçoamento de tais atos”.
Mas o juiz considerou que os critérios da Dersa para selecionar as empresas eram “demasiadamente restritivos”.

Assim, para preservar que a licitação seja mesmo uma “concorrência”, ele concedeu uma liminar autorizando a Cetenco a participar do processo.

Hoje, as empresas teriam de apresentar os envelopes contendo documentação de pré-qualificação para a licitação.

Quem não fizesse isso até as 14 horas estaria automaticamente desclassificado. Depois da pré-qualificação, as empresas apresentariam seus valores para o projeto.
A reportagem do Estado não conseguiu na noite de ontem contato com a Galvão nem com a Cetenco.
Fonte: O Estado de S.Paulo, Por Bruno Ribeiro

domingo, 11 de dezembro de 2011

sábado, 19 de novembro de 2011

Entrega da segunda fase da Jacu Pessego

19/11/2011 - Webtranspo

Terceira fase será entregue no primeiro semestre de 2012, já quarta fase se iniciará em julho.Nesta quinta-feira, 17, o governo de São Paulo entregou as melhorias efetuadas na segunda fase de obras do Sistema Viário Jacu-Pêssego. Nesta etapa, o Tesouro do Estado repassou um recurso de R$ 93,1 milhões. Com os serviços, a avenida ganhou maior fluidez no tráfego.

"São cinco quilômetros, três marginais, ciclovias, calçadas e três passarelas que vão também atender vários bairros aqui da zona leste de São Paulo. E a grande obra do complexo JK, que vai ajudar muito Mauá”, explicou Geraldo Alckmin, governador estadual. Ainda de acordo com o político, uma quarta fase de serviços, que se inicia no próximo ano e ficam prontas em julho, beneficiará também Mauá, bem como Santo André e o ABC como um todo.

Esta fase dos serviços no Sistema Viário Jacu-Pêssego foi iniciada em março deste ano e teve coordenação da Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S/A). Antes do começo da obra, porém, houve uma renegociação do contrato que resultou em uma redução de custos de R$ 13,9 milhões ao previsto inicialmente.

Foram investidos no total R$ 40 milhões no Complexo JK, que consiste em um conjunto de 2,8 quilômetros de pista sobre alças e viadutos, com a passagem da via férrea, além dos ramos 600, 300, 200 e 100 (interligações) da Avenida Papa João XXIII, no trecho que fica antes do acesso ao Rodoanel Sul, no município de Mauá.

Com as melhorias, os viadutos ficaram responsáveis pelo tráfego local, o que facilita o acesso ao Rodoanel e à Avenida Jacu-Pêssego, para quem vem da região central de Mauá e a partir da Estrada do Guaraciara e rua Luis Varin, situada também em Mauá.

Outro serviço realizado foi a separação do tráfego de passagem – via expressa – e do local, o que resultou em uma melhor acessibilidade dos moradores aos bairros lindeiros, para tal, foi implantado 4,8 quilômetros de vias marginais à Avenida Jacu-Pêssego, nos bairros Jardim Vitória, Jardim da Conquista e Jardim Paulistano, na zona leste da Capital. Para viabilização desta ação, foram gastos R$ 47,5 milhões.

A terceira fase do empreendimento (construção de dois viadutos, Capuava e Comendador Wolthers, pavimentação da Avenida Rosa Kasinski, melhorias na Alberto Soares Sampaio e no viário local), já foi iniciada e possui 45% de conclusão das obras previstas, sendo que a entrega deve acontecer ainda no primeiro semestre de 2012.

domingo, 30 de outubro de 2011

sábado, 29 de outubro de 2011

Novo shopping será aberto próximo ao Itaquerão

29/10/2011 - Folha de São Paulo, MARIANA SALLOWICZ

Atenta à demanda de consumidores que virá com a inauguração do Itaquerão, o estádio do Corinthians, a Matec Holding finaliza projeto para a construção de um shopping na região, a cerca de três quilômetros do local, na capital paulista.

Serão investidos R$ 120 milhões no empreendimento, que terá foco na classe C.

"A região se tornou atrativa e está bem abastecida de infraestrutura, com metrô, linhas de ônibus e escolas", afirma Luiz Augusto Milano, diretor-presidente da Matec.

A empresa planeja iniciar a construção em janeiro de 2012, mas não informa o local exato. O shopping, que terá 18 mil m² de área bruta locável, deverá ficar pronto em março de 2013 -mesmo ano em que o estádio deverá ser entregue.

O tamanho é equivalente ao do shopping Light (16,96 mil m²), no centro de São Paulo, e ao do Metrô Boulevard Tatuapé (18,76 mil m²), no bairro de seu nome.

Segundo Milano, há dois investidores participando do projeto, sendo um deles a própria Matec, que terá 50% de participação no negócio.

Pelo projeto atual, serão cinco âncoras (magazines e lojas de departamentos que têm público cativo), um cinema, três megalojas e 150 lojas. "Já temos 50% delas com pré-contratos assinados."

O anúncio oficial da construção, no entanto, está previsto somente para o fim do ano ou começo de 2012.

A Matec Engenharia, braço do grupo, também está trabalhando em outros dois shoppings -nos quais não atua como investidora.

Um está localizado em Limeira, interior de São Paulo. A construção teve início em junho e deverá ser finalizada em outubro do ano que vem.

O outro empreendimento começou a ser feito em Santo André, na Grande São Paulo, há cerca de 30 dias e ficará pronto entre agosto e setembro de 2012.

Para este ano, a previsão é que sejam abertos 21 shoppings em todo o país, sendo que dez já foram inaugurados, como o Via Brasil Shopping, no Rio. Os dados são da Abrasce (Associação Brasileira de Shopping Centers).

LIVRARIA DA FOLHA

STEVE JOBS
Walter Isaacson
De: 49,90
Por: 33,75
COMPRAR
HENRY KISSINGER
Sobre a China
De: 54,90
Por: 48,90
COMPRAR
Inglês e mais 7 línguas em lições de 15 min, com livro e CD. Desconto de 30%!
Ex-presidente do Grupo SS conta a sua versão sobre o PanAmericano
Seja um solucionador com "Problemas? Oba!", de Roberto Shinyashiki
Vacine-se contra psicopatas corporativos com "Trabalhando com Monstros"
"Se o mundo empresarial é uma selva, seja o predador", prega obra
Dicionário Houaiss na nova ortografia de R$ 269,00 por R$ 180,30; economize 30%!
Comentar esta reportagemVer todos os comentários (8)
O Brasil é a 7ª Economia e o 79º em IDH e 88ª na Educação (441)(09h28) há 3 horas
facebooktwitter
1
2
ResponderDenuncie
Será que a Radial Leste, com apenas duas pistas em cada sentido aguenta tudo isso ??
Acho que não.
O comentário não representa a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem
Mauro Rocha (59)(09h51) há 2 horas
facebooktwitter
1
2
ResponderDenuncie
Nasci e moro há 40 anos em Itaquera.
Estão passando uma imagem muito equivocada para o resto do Brasil e o mundo.
Falar em linhas de ônibus é piada. O que se vê no terminal Itaquera é um apinhado de lotações (o clandestino que foi oficializado), com profissionais de qualidade questionável.
Escolas, então?!?
Não encontramos ainda nenhuma grande obra de infraestrutura no bairro. Com certeza, o negócio todo para a Copa será feito as pressas, gastando muito e sem qualidade. Pobres moradores iludidos.
O comentário não representa a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem
Antonio Carlos Magalhães (93)(09h48) há 2 horas
facebooktwitter

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Obra vai deixar av. Faria Lima com 'cara' de av. Paulista em SP

18/10/2011 - Folha de São Paulo

A avenida Brigadeiro Faria Lima (zona oeste de SP) deverá ficar mais parecida com a avenida Paulista (região central) após obras. As calçadas terão piso em cimento moldado com faixa de orientação para deficientes visuais, os fios serão aterrados e a iluminação será direcionada aos pedestres, em vez dos carros.

Prefeitura inicia remodelagem de trecho da avenida Brigadeiro Faria Lima; via deve ficar parecida com a avenida Paulista

As informações são da reportagem de Adriano Brito publicada na edição desta terça-feira da Folha. A reportagem completa está disponível para assinantes do jornal e do UOL (empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

De acordo com o texto, o banho de loja será dado no trecho da via nos Jardins, entre a avenida Rebouças e a rua Amauri, e dá sequência às mudanças na região do largo da Batata.

A prefeitura pretende concluir as obras na Faria Lima em abril e complementá-las com um recapeamento do asfalto do trecho.

Sem contabilizar os gastos com iluminação e novos abrigos de ônibus, a ser definido pela prefeitura, o investimento na reforma já totaliza R$ 10,5 milhões --R$ 7,5 milhões para as calçadas e R$ 3 milhões para o recapeamento.

Ponte ligará Santo Amaro e Panamby

25/10/2011 - O Estado de São Paulo

Obra integra pacote de R$ 2,3 bilhões firmado nesta terça, 25, que inclui túnel até Imigrantes, remoção de favelas e o maior parque linear de SP.

Diego Zanchetta e Rodrigo Brancatelli, O Estado de S.Paulo
Um novo anel viário sobre o Rio Pinheiros ligando os bairros de Santo Amaro e Panamby, um túnel de 2,4 km do Brooklin até a Rodovia dos Imigrantes, a remodelação da Avenida Chucri Zaidan e a construção do maior parque linear de São Paulo fazem parte de um pacote de obras cujos contratos foram firmados ontem pela Prefeitura. No total, elas custarão R$ 2,32 bilhões e incluem também a maior remoção de favelas da história da cidade - 16 ocupações onde hoje vivem 40 mil pessoas vão desaparecer.

Intervenções. Obras são parte da Operação Urbana Água Espraiada
A maior obra das duas gestões do prefeito Gilberto Kassab (PSD) será executada a partir do ano que vem pelas cinco maiores empreiteiras do País. Os nomes das empresas vencedoras dos cinco lotes da megaobra foram divulgados ontem: OAS, Odebrecht, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão e Construbase Engenharia.

A intervenção ocorre em uma parte nobre da zona sul que já ganhou a Ponte Estaiada e tem obras da Linha 5 - Lilás do Metrô cortando o Brooklin e o Campo Belo. Agora, a Avenida Chucri Zaidan será alargada e ampliada da altura do MorumbiShopping até a Avenida João Dias - vai ganhar quatro faixas em cada sentido. Serão 3,1 quilômetros a mais de vias, além da requalificação de ruas no entorno.

Entre a Rua Fernandes Moreira e a Praça Embaixador Sírio Freitas Vale, a nova avenida terá um túnel de 600 metros de extensão. Após a saída da passagem subterrânea, será feita uma ligação para uma nova ponte, chamada de Burle Marx, que terá duas mãos de direção e vai desembocar no Parque Burle Marx, no Panamby.

Moradores da região já se mostraram contra a obra por considerá-la uma ameaça a uma das poucas áreas verdes que restam na região, uma vez que as alças ficarão sobre parte do Parque Burle Marx. Para todas essas mudanças na região, a Prefeitura calcula que será preciso desapropriar 117 imóveis residenciais e 65 imóveis comerciais, incluindo postos de gasolina, casas e prédios residenciais.

Melhorias. Todos os projetos estavam embutidos na Operação Urbana Água Espraiada, que deve usar o valor arrecadado em contrapartidas com o mercado imobiliário para melhorar a infraestrutura de bairros. A Ponte Estaiada, por exemplo, foi erguida com a dinheiro pago pelos inúmeros prédios que surgiram na região nos últimos anos. A conta-corrente da operação dispõe atualmente de R$ 924 milhões.

A maior obra do pacote será a tão prometida ligação entre a Avenida Jornalista Roberto Marinho e a Rodovia dos Imigrantes, no Jabaquara. Em 2001, o projeto do túnel dentro da Operação Urbana Água Espraiada tinha 400 metros. A extensão foi alterada em 2008 para 2,4 quilômetros. Para construí-lo, cerca de 40 mil pessoas em 16 favelas terão de ser removidas ao longo de cinco bairros - Parque Jabaquara, Vila Facchini, Vila do Encontro, Cidade Vargas e Cidade Leonor.

Na ampla área sobre o futuro túnel da Roberto Marinho vai ser criado um parque com 600 mil m². Ele será entrecortado por ruas destinadas ao trânsito dos bairros e terá áreas verdes para aumentar a permeabilidade do solo, além de lagos feitos a partir do represamento do Córrego Águas Espraiadas, o que deve facilitar o escoamento da chuva na região. Conjuntos habitacionais para cerca de 5 mil famílias ainda serão construídos no local - cerca de 10% do valor do projeto deve ser destinado à construção de moradias.

A Prefeitura também pretende desapropriar 53 lotes no eixo Brooklin-Campo Belo para fazer o alargamento da Roberto Marinho ao longo dos seus 5.100 metros. As remoções atingem 107,6 mil metros quadrados, área equivalente ao tamanho do Parque da Água Branca, na zona oeste. Também poderão ser removidos galpões com 10 mil metros quadrados e sobrados em terrenos com 400 m².


AINDA NO PAPEL

Dois túneis na Vila Mariana

Sob a Rua Domingos de Morais, entre a Rua Sena Madureira e a Avenida Ricardo Jafet. Valor: R$ 218 milhões.

Túnel na zona norte

Entre as Avenidas Cruzeiro do Sul e Engenheiro Caetano Álvares. Custo: R$ 338 milhões.

Prolongamento da Radial Leste até Guaianases

Custo: R$ 131 milhões.


Rodoanel Norte

A Prefeitura é parceira do governo do Estado na obra - caberá ao Município a remoção de 7 mil famílias para início da construção da estrada. Custo: R$ 4 bilhões.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Demanda continua acima da oferta
Valor Econômico, 10/out
A relação de aperto entre oferta de escritórios comerciais e demanda por novas áreas na avenida Faria Lima deve ser mantida, mesmo quando os projetos em desenvolvimento forem entregues, na avaliação de incorporadoras que investem na região. A expectativa é de continuidade da procura tanto por empresas que buscam expansão de áreas, quanto pelas que buscam novos espaços com mais qualidade.

"Mesmo com os novos produtos que serão colocados no mercado, ainda vai existir demanda grande para locação na Faria Lima. É uma região de desejo por parte de bancos e escritórios de advocacia", afirma a diretora de Incorporação da Stan, Leila Jacy. A Stan desenvolve, em parceria com a SDI Empreendimentos, o projeto de uso misto SL Faria Lima 4300, composto por uma torre corporativa, uma de salas comerciais e uma residencial. O prédio corporativo tem 16,8 mil metros quadrados de área locável e ficará pronto em setembro de 2012.

Segundo a gerente de Pesquisa de Mercado para América do Sul da Cushman & Wakefield, Mariana Hanania, nos próximos três anos, a demanda continuará superior à oferta na região. Após esse prazo, a relação entre áreas disponíveis e necessidade do mercado vai depender do perfil dos novos projetos. Nas estimativas da Cushman, o estoque de empreendimentos comerciais de alto padrão, em construção, com entrega prevista para até 2013, na Faria Lima, é de 141 mil metros quadrados. Desse total, os projetos que estão sendo erguidos na Nova Faria Lima contribuem com 30 mil metros quadrados.

Outra empresa que desenvolve empreendimento na Nova Faria Lima é a Cyrela Commercial Properties (CCP). A companhia tem 50% de participação em projeto que será desenvolvido no terreno onde funcionava o Colégio Nossa Senhora do Carmo. O mais provável é que seja erguida uma torre triple A no local, com 15 mil metros quadrados. A entrega está prevista para 2014.

Segundo o diretor financeiro e de relações com investidores da CCP, Dani Ajbeszyc, daqui para frente o desenvolvimento de novos escritórios comerciais em São Paulo deverá ocorrer nas extensões de áreas consolidadas, caso da Nova Faria Lima, ou nas conexões entre os polos existentes.    

Escritórios vão para a Nova Faria Lima

10/10/2011 - Valor Econômico, Chiara Quintão A escassez de áreas disponíveis de escritórios comerciais de alto padrão na Faria Lima, entre as avenidas Cidade Jardim e Juscelino Kubitschek, endereço nobre da zona sul de São Paulo, estimula investimentos no último trecho a ser explorado na avenida mais cobiçada por instituições financeiras para instalar ou expandir suas sedes. Ou seja, o endereço limitado pelas avenidas Juscelino e Helio Pellegrino. UBS, Barclays e BicBanco se mudarão, nos próximos meses, para o edifício Faria Lima 4440, de padrão triple A. Trata-se do primeiro prédio pronto da leva de sete projetos corporativos desenvolvidos na Nova Faria Lima, com entrega prevista para até o fim de 2014. A Faria Lima tem o metro quadrado de edifícios corporativos mais caro e a menor taxa de vacância do mercado paulistano. Em setembro, a vacância da região da Faria Lima em edifícios com ar-condicionado central e lajes acima de 250 metros quadrados úteis era de 2,6%, abaixo da média da capital paulista, de 3,1%, conforme levantamento da CB Richard Ellis (CBRE). Segundo a empresa, que foi responsável pela locação do Faria Lima 4440, nos prédios prontos triple A, com qualidade similar à do empreendimento, a parcela era de 0,5%. Nos cálculos da Jones Lang LaSalle, a taxa de vacância do trecho da Faria Lima entre a avenida Cidade Jardim e a Helio Pellegrino era de 2,5% no terceiro trimestre, muito abaixo dos 14,57% do intervalo equivalente de 2010 e dos 7,7% da média da capital para edifícios de alto e altíssimo padrão. Os valores médios de locação nesses quarteirões situaram-se em R$ 138 - 13%, acima dos R$ 122 do terceiro trimestre de 2010. "O estoque ficou inalterado nesse período. Com a demanda aquecida, os valores foram pressionados", diz o diretor de locação da Jones Lang, André Costa. O preço médio do metro quadrado de alto padrão ficou em R$ 127 e de altíssimo padrão, em R$ 142. Para o Faria Lima 4440, os preços fechados de locação foram superiores a R$ 150 por metro quadrado. Isso resulta em valor total do aluguel mensal dos 15 andares do prédio em torno de R$ 3,5 milhões, conforme o sócio-diretor do fundo VBI, Rodrigo Abud. O fundo de private equity com investimentos no setor imobiliário VBI, que possui 92% do projeto, desenvolveu o Faria Lima 4440 em parceria com as empresas do setor de construção SDI Empreendimentos e Bueno Netto, que possuem 4% cada. A Gafisa construiu o prédio, mas não participou da incorporação. Em 2006 e 2007, os sócios do Faria Lima 4440 desembolsaram cerca de R$ 50 milhões na compra das 17 propriedades que compuseram o terreno. A maior parte foi composta pela área onde funcionava a academia Projeto Acqua. "Para nós, estava claro que a expansão da Faria Lima ia continuar naquele trecho. Fomos os primeiros a comprar terreno ali", conta Abud. Na época, a avaliação era que o valor do aluguel do metro quadrado na Nova Faria Lima seria menor do que o da área mais consolidada da avenida, o que não ocorreu. Segundo o diretor de locação da CBRE, Adriano Sartori, independente de a localização do edifício ser antes ou depois da Juscelino, "o endereço Faria Lima prevalece". Além da pressão sobre os valores de locação, o cenário de aperto entre oferta e demanda se reflete em pré-locações cada vez mais cedo. "As pré-locações eram fechadas, em média, de três a seis meses antes do habite-se, mas o prazo médio passou a ser de seis a 12 meses", compara Sartori. Dos 230 mil metros quadrados de edifícios de alto padrão na região das avenidas Faria Lima e Juscelino Kubitschek com entrega até o fim de 2012, 40% já estão locados, nas estimativas da CBRE. O Faria Lima 4440 foi totalmente pré-locado um ano antes da entrega, informou o diretor da Bueno Netto, Carlos Alberto Bueno Netto. O BicBanco ocupará dez mil metros quadrados e UBS e Barclays ficarão em área de seis mil metros quadrados cada um. A demanda foi duas vezes superior à área ofertada. Foram recebidas também propostas de multinacionais e de uma firma de consultoria.

Justiça interdita conjunto habitacional próximo do Center Norte

10/10/2012 - Valor Econômico

SÃO PAULO - O juiz Valentino Aparecido de Andrade, da 10ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, determinou na sexta-feira a interdição do conjunto habitacional Cingapura Zaki Narchi, que fica na região do Shopping Center Norte. A informação foi divulgada hoje pelo Tribunal de Justiça paulista (TJ-SP). Todos os moradores deverão ser retirados e transferidos pela Prefeitura de São Paulo para um outro local.

Em liminar concedida ao Ministério Público Estadual, o magistrado afirma que a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) identificou a presença de gás metano no local, em quantidade que traz risco potencial de explosão. “Trata-se, sem dúvida, de uma medida extrema essa de interdição e remoção dos moradores, mas ela é a única que pode eficazmente controlar a situação de risco a que essas pessoas estão submetidas, exigindo-se a intervenção do Poder Judiciário”, diz o juiz, determinando um monitoramento diário e constante das condições do local. Da decisão cabe recurso.

Por meio de nota, a Secretaria Municipal da Habitação (Sehab) informou que a situação do cingapura é diferente da do shopping. No conjunto habitacional, o gás esta restrito ao subsolo e as medições em todos os apartamentos do andar térreo e na creche não detectaram a presença de gás metano. As diferenças entre os casos foram apresentadas ao Ministério Público Estadual. Porém, o órgão decidiu levar o caso ao Judiciário, de acordo com a Sehab. No sábado, assistentes sociais estiveram no local para esclarecer a situação aos moradores e informar as medidas legais que serão tomadas pela Prefeitura.

Valor (Arthur Rosa

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Hotel-contêiner em São Paulo

04/10/2011 - DCI

A Container, única rede de franquias em contêiner do mundo, pretende faturar R$ 40 milhões até o final de 2012 com o lançamento de um novo empreendimento: o primeiro hotel-contêiner do Brasil, que será localizado na capital paulista e inaugurado até o final deste ano.

domingo, 25 de setembro de 2011

Marginal do Pinheiros vai ganhar viaduto e ‘ciclopassarelas’ em 2012

24/09/2011 - O Estado de São Paulo - Marcelo Godoy e Rodrigo Burgarelli

Iniciativa privada bancará projeto para ter direito de construir shopping e edifício de escritórios.

O maior projeto viário feito pela iniciativa privada em São Paulo vai sair do papel. Trata-se de um viaduto ligando a Avenida Juscelino Kubitschek à Marginal do Pinheiros e das primeiras "ciclopassarelas" da cidade, que vão permitir a ligação de bicicleta entre os Parques do Povo, na zona sul, e Villa-Lobos, na zona oeste.

As obras serão feitas pela construtora WTorre, que bancará 70% dos custos. Os outros 30% sairão dos cofres dos controladores do Shopping Iguatemi. Os projetos de infraestrutura viária são a contrapartida exigida pela Prefeitura de São Paulo para permitir a construção do JK Iguatemi, um misto de shopping e edifício de escritórios lançado na Avenida Juscelino Kubitschek, na zona sul. O complexo deve trazer 7.858 veículos por dia à já saturada Vila Olímpia.

Aprovadas pelo secretário municipal dos Transportes, Marcelo Cardinale Branco, as obras vão começar em novembro deste ano e devem acabar em dezembro de 2012. O conjunto está orçado em R$ 42 milhões. Um escritório alemão foi contratado para fazer o viaduto de duas pistas que dará acesso direto da Juscelino Kubitschek à pista expressa da Marginal do Pinheiros, no sentido Castelo Branco. A ideia é que a estrutura, parte em metal, tenha iluminação especial.

A estrutura também deve prever a construção de uma segunda alça que passará sobre o Rio Pinheiros e ligará a avenida à pista expressa do outro lado, no sentido Interlagos. Essa segunda etapa não será feita pela WTorre, e não tem prazo para sair.

Outra novidade será o conjunto de duas pontes para ciclistas que ligarão os Parques do Povo e Villa-Lobos à ciclovia que passa ao longo do Rio Pinheiros. Até lá, a via exclusiva de bicicletas já terá sido prolongada até a Estação Villa Lobos-Jaguaré da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). A promessa do governo estadual é entregar esse novo trecho de 6,4 km até o fim deste ano. "Com os novos acessos, esperamos que mais ciclistas passem a utilizá-la no dia a dia", diz o diretor de Planejamento da CPTM, Silvestre Ribeiro. A atual média de usuários é de apenas 250 por dia útil.

Briga

Essas obras já estavam previstas desde 2007, época em que foi autorizado o início da construção de duas torres de escritórios e de uma filial do Shopping Iguatemi que englobará a Villa Daslu, ao lado do Parque do Povo. O primeiro edifício já está pronto e foi vendido em 2008 para o Banco Santander por mais de R$ 1 bilhão.

A WTorre conseguiu na Justiça em 2009 se livrar da obrigação de fazer as obras - uma exigência da lei municipal. A Prefeitura recorreu da decisão e entrou em acordo com a construtora. A primeira fase dos trabalhos - quarta faixa na pista local da Marginal do Pinheiros - terminou há cerca de 45 dias. O custo total previsto é de R$ 90 milhões.

domingo, 28 de agosto de 2011

Viaduto inaugurado com 3 anos de atraso

28/08/2011 - Folha.com


Com três anos de atraso e quase R$ 50 milhões mais caro que o planejado, a Prefeitura de São Paulo inaugurou neste domingo o complexo viário Padre Adelino, na região do Tatuapé, na zona leste.

O complexo tem como objetivo desafogar o trânsito na região, permitindo a ligação entre os bairros do Belenzinho e do Tatuapé sem passar pela Radial Leste.

As obras começaram em 2007, com previsão de conclusão para o ano seguinte. O custo inicial, de R$ 63,5 milhões, terminou em R$ 113,29 milhões.

Uma das razões para a demora foi a dificuldade nas desapropriações. O viaduto estaiado está pronto desde 2010, mas uma das alças dependia de acordo na Justiça com o dono do terreno para a prefeitura obter a posse, o que só aconteceu em abril.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011








Página Principal | Sala de Imprensa | Hoje na Imprensa mapa do site | fale conosco
Hoje na Imprensa



















Prefeitura de São Paulo dispõe de R$ 3 bilhões para obras de urbanização; metade irá para drenagem
Folha de São Paulo, Mercado Aberto, 25/ago
A Prefeitura de São Paulo tem cerca de R$ 3 bilhões em carteira para obras de urbanização, boa parte delas em processo de licitação.

Desse volume, cerca de R$ 1,5 bilhão representa investimento em drenagem, de acordo com Elton Santa Fé Zacarias, secretário de Infraestrutura Urbana.

"São obras para resolver problemas de enchentes em diversos pontos da cidade e envolvem canalização de córregos, a construção de piscinões e, em alguns casos, moradias para famílias que estavam nas áreas atingidas."

Dada a limitação decorrente do volume de endividamento, a Prefeitura depende dos governos estadual e, principalmente, federal para obras maiores.

"Obras de porte não têm mais condições de serem feitas só com os recursos da Prefeitura." O principal interlocutor no governo Dilma Rousseff tem sido o Ministério das Cidades.

A Prefeitura paulistana finaliza a licitação para construir 150 escolas em todas as regiões da periferia.

Com o investimento de mais de R$ 600 milhões apenas para erguer as escolas, o governo municipal pretende acabar com o terceiro turno, o chamado "turno da fome", das 11hs às 15hs.

De início, eram 40 construtoras, algumas em consórcios, a participar do processo. As obras estão divididas em 15 lotes. No dia 5 de setembro, abrem-se os envelopes da concorrência e, até o final de setembro, as obras devem estar contratadas.


 Versão para impressão 

 Envie para um amigo       

Estas são as matérias mais recentes desta seção:
Dólar ronda estabilidade, em mais um pregão de cautela 
Ibovespa opera em leve alta nesta manhã 
Zona Oeste ganha saneamento 
Dólar opera estável, no patamar de R$ 1,60 
Ibovespa opera no vermelho nesta quarta-feira 
Na vitrine 
Gestão municipal pode adotar novas práticas 
Corrida contra o tempo 
UPPs terão coletor solar para aquecer água 
Caixa tem perdas em aplicação do FGTS 
Veja todas as matérias

Informe ADEMI
Cadastre-se para receber em primeira mão o In










ADEMI - Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

GOVERNADOR ALCKMIN DÁ INÍCIO À CONSTRUÇÃO DO TRECHO LESTE DO RODOANEL
Fonte: Assessoria de Imprensa
Publicada em: 17/8/2011
Maior obra rodoviária em andamento no país terá investimento de R$ 2,8 bilhões; seis cidades da RMSP serão beneficiadas
O governador Geraldo Alckmin dá início, nesta quarta-feira, 17, em Ribeirão Pires, às obras do trecho Leste do Rodoanel Mário Covas (SP 021). O investimento será de R$ 2,8 bilhões - aplicados na construção, desapropriações, reassentamentos e projetos ambientais. Outros R$ 2,4 bilhões serão destinados a operação, conservação e obras de ampliação nos Trechos Sul e Leste ao longo dos próximos 35 anos.
 
As obras deste novo trecho devem gerar 3,5 mil empregos diretos e 14 mil indiretos. Com 43,5 quilômetros de extensão, o trecho integra uma importante ligação entre as principais rodovias que passam pela Região Metropolitana de São Paulo. A previsão é que a obra seja entregue em março de 2014, prazo estimado de 30 meses de execução.
 
Nessa etapa inicial, serão produzidas, no próprio canteiro de obras, as peças pré-moldadas, como vigas e outras peças de concreto usinado, fundamentais para a construção da rodovia. A implantação do Trecho Leste demanda mais de 12 mil vigas, o que resulta na média de produção de 12 vigas por dia. Ao todo, o projeto contempla 16,8 quilômetros de pontes e viadutos, além de um quilômetro de túnel.
 
DEMANDA
 
O Trecho Leste deve receber, diariamente, cerca de 24 mil veículos. Estima-se que entre 60% e 70% desse fluxo seja de veículos pesados. Por isso, sua importância não só para o desenvolvimento econômico do Estado, mas também para o trânsito da Região Metropolitana de São Paulo, que deixará de receber tráfego com origem e destino nos sistemas rodoviários interligados pelo Rodoanel. Em conexão com o Trecho Sul e o Sistema Anchieta-Imigrantes também viabiliza uma ligação mais rápida e eficiente com o Porto de Santos e com o Aeroporto Internacional de Guarulhos.
 
O traçado do Trecho Leste corta seis municípios: Ribeirão Pires, Mauá, Suzano, Poá, Itaquaquecetuba e Arujá. Os acessos serão nos seguintes pontos:
 
. Final do Trecho Sul, junto à interligação com Av. Papa João XXIII, em Mauá
. SP 066, em Suzano
. Rodovia Ayrton Senna (SP 070), em Itaquaquecetuba
. Rodovia Presidente Dutra (BR 116), em Arujá
 
A construção do Trecho Leste foi viabilizada pelo Programa de Concessões Rodoviárias de São Paulo.
 
Rodoanel Mário Covas (SP 021)
 
O Rodoanel Mário Covas (SP 021) é uma obra fundamental para desafogar o intenso tráfego da região metropolitana, principalmente de caminhões. Dividido em quatro trechos, ele redefine a plataforma logística rodoviária de radial para anelar, interligando 10 rodovias que chegam à capital do Estado: Fernão Dias, Dutra, Ayrton Senna, Anchieta, Imigrantes, Régis Bittencourt, Raposo Tavares, Castello Branco, Anhangüera e Bandeirantes.
 
Trecho Sul
 
Com 61,4 quilômetros de extensão, o Trecho Sul começou a operar em março de 2010. Seu traçado começa na Rodovia Régis Bittencourt (entroncamento com o Trecho Oeste), interliga as rodovias Anchieta e Imigrantes, e segue até o prolongamento da Av. Papa João XXIII. Recebe em média 70 mil veículos por dia e sua operação está a cargo da concessionária SPMar.

Trecho Oeste
 
Primeiro trecho construído do Rodoanel, iniciou operação em outubro de 2002. Tem 32 quilômetros de extensão e liga as rodovias Régis Bittencourt, Raposo Tavares, Castello Branco, Bandeirantes e Anhanguera. Atualmente, recebe um volume diário médio ponderado de 71 mil veículos e é operado e administrado pela concessionária Rodoanel.
 
Trecho Norte
 
O trecho Norte do Rodoanel terá 44 km de extensão e tem previsão de inicio para final dste ano e conclusão em 2014, a um custo de R$ 6,1bilhões. Passará pelos municípios de São Paulo, Guarulhos e Arujá. Interligará ao trecho Oeste na avenida Raimundo Pereira de Magalhães, passando pelo aeroporto de Guarulhos, rodovia Fernão Dias e fechando no trecho Leste, com a rodovia Dutra.
 
Programa de Concessões Rodoviárias
 
O Programa de Concessões Rodoviárias teve início em 1998 com a concessão de 12 lotes de rodovias. Os investimentos já realizados na malha dessa 1ª Etapa somam 20 bilhões de reais (valores atualizados). O principal resultado são viagens muito mais confortáveis e seguras: o índice de mortos nas rodovias concedidas está 39,4% menor em relação ao ano de 2000. Além disso, essas rodovias figuram entre as melhores do país, de acordo com avaliação da Confederação Nacional dos Transportes.
 
Em 2007 o Governo do Estado de São Paulo iniciou a 2ª Etapa do Programa. Foram concedidos cinco corredores rodoviários (Marechal Rondon Oeste, Marechal Rondon Leste, Raposo Tavares, D. Pedro I, Ayrton Senna-Carvalho Pinto) e os Trechos Oeste, Sul e Leste do Rodoanel Mário Covas, totalizando 1,8 mil quilômetros. Esta nova etapa garante investimentos de 13,4 bilhões de reais em obras.
 
Mais informações:
ARTESP - Assessoria de Imprensa
(11) 3465.2104 / 3465.2105
imprensa@artesp.sp.gov.br
www.artesp.sp.gov.br

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Prefeitura de SP adia novamente inauguração de complexo viário Padre Adelino

08/08/2011 - Via Trolebus

A Prefeitura de São Paulo deu um novo prazo para a inauguração do Complexo Viário Padre Adelino, que deve desafogar o trânsito na região da Avenida Salim Farah Maluf, na Zona Leste da cidade. A promessa é que os viadutos sejam entregues no fim de agosto.

As obras começaram em 2007 e deveriam ter sido entregues em 2009. Mas, a entrega foi adiada, pelo menos, duas vezes. Em março, em uma entrevista ao G1, o secretário de Infraestrutura Urbana e Obras, Elton Santa Fé Zacarias, estabeleceu mais um prazo que não foi cumprido. “O que a Prefeitura podia fazer foi feito. Devemos entregar esse trecho no final de maio desse ano”, afirmou na ocasião.

Segundo a Prefeitura, o atraso nas obras foi provocado por problemas na desapropriação de um terreno que fica no final do Viaduto Padre Adelino. “Categoricamente, podemos dizer que não há mais impedimento nenhum, é só aguardar dia 28”, diz Zaira Conceição Alves de Rosa, diretora do Departamento de Pavimentação.

Quando estiverem em funcionamento, os três viadutos devem desafogar o trânsito na Zona Leste. O Viaduto Pires do Rio, que já existia, fica na Radial Leste e ganhou mais duas faixas e novas alças de acesso. Os outros dois viadutos, que estão sendo construídos e fazem parte do Complexo, são o Catiguá Balei - que será o caminho da Penha para o Belenzinho - e o Viaduto Padre Adelino - que vai ligar as regiões do Tatuapé e Vila Carrão com a Mooca.

É previsto junto com a inauguração do viaduto, a volta da linhas de trólebus 2101, que liga a Praça Silvio Romero à Praça da Sé.

Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Ponte estaiada sobre o Rio Tietê é inaugurada

27/07/2011 - G1 SP, Por Paulo Toledo Piza

CET, no entanto, não tem previsão de quando o tráfego será liberado. Segundo a Dersa, estrutura recebeu pintura com verniz antipichação.

Foto: Mario Ângelo/Sigmapress/AE

A ponte estaiada construída sobre o Rio Tietê, nas proximidades do Anhembi, na Zona Norte de São Paulo, foi inaugurada por volta das 10h desta quarta-feira (27). De acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), somente depois que o palco usado para a cerimônia de inauguração for desmontado é que a ponte será liberada para o tráfego. Não há previsão de horário.

Batizada de Governador Orestes Quércia, a ponte faz parte das obras de expansão da Marginal Tietê. A construção liga a Avenida do Estado à pista central da marginal, ao lado do Pavilhão do Anhembi, no sentido Rodovia Castello Branco. A inauguração foi feita sem uma ligação com o Bom Retiro, na região central.

O evento contou com políticos de diversos partidos, principalmente do PMDB, entre eles o vice-presidente Michel Temer. Os ex-governadores José Serra, Alberto Goldman e Paulo Maluf, o atual governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, o prefeito Gilberto Kassab, a viúva de Orestes Quércia, dona Alaíde, e os filhos do político, que morreu em dezembro do ano passado, também estiveram na cerimônia, assim como os senadores Eduardo Suplicy e Aloysio Nunes.

Segundo Alckmin, a obra irá reduzir em 15 minutos o trajeto de quem vem do ABC e, por dia, deverá receber cerca de 20 mil veículos. “É mais qualidade de vida para a população, trará fluidez ao trânsito, segurança e conforto”, disse. O vice-presidente ressaltou a história de vida de Quércia e fez um paralelo entre a obra e o político. “Quércia foi uma ponte entre o povo mais humilde e o poder”, afirmou Temer.

Arte/G1
Estrutura

Ponte Governador Orestes Quércia (Foto: Carolina Iskandarian/G1)

De acordo com a Dersa, empresa responsável pela obra, a ponte tem 660 metros de comprimento, 15,20 metros de largura e 88 estais, que são os cabos de sustentação. Os estais da Ponte

Governador Orestes Quércia são feitos de aço inoxidável e têm capacidade de sustentação variando entre 200 e 500 toneladas.

Os pilares da ponte são feitos de concreto armado, coberto com uma proteção de verniz especial antipichação. Segundo a Dersa, a nova ponte irá aumentar a fluidez do fluxo em cerca de 20 mil veículos por dia.

Ponte Octavio Frias de Oliveira (Foto: Arquivo/G1)

A Ponte Governador Orestes Quércia é a segunda de São Paulo a ter estais para sustentação. A primeira, a Ponte Octavio Frias de Oliveira, foi construída sobre o Rio Pinheiros e inaugurada em 2008.

terça-feira, 5 de julho de 2011

Aprovado Tunel da Roberto Marinho ate a Imigrantes

05/07/2011 - Diego Zanchetta - O Estado de Sao Paulo

Quarenta mil moradores de 16 favelas, centenas de casas e lojas e quatro torres residenciais serão retirados para a construção de um túnel de R$ 3,7 bilhões entre a Avenida Jornalista Roberto Marinho, no Brooklin, zona sul de São Paulo, e a Rodovia dos Imigrantes. A maior remoção da história da Prefeitura foi autorizada ontem por 39 dos 55 vereadores paulistanos. As remoções devem começar em agosto, dois meses antes das obras.

Também haverá um parque linear de 600 mil m², quase metade do tamanho do Parque do Ibirapuera, no lugar das ocupações às margens do Córrego Água Espraiada. O pacote de mudanças para a região ainda inclui o prolongamento da Avenida Chucri Zaidan em 1 quilômetros e reformas em 48 ruas, como alargamentos e novas calçadas. A Secretaria Municipal de Habitação já cadastrou 8,5 mil famílias que vão deixar as margens do Córrego Água Espraiada para morar em conjuntos habitacionais da CDHU construídos ao longo da Avenida Ricardo Jafet. As transferências das primeiras famílias, que já recebem bolsa aluguel de R$ 300 mensais, por meio de cartão magnético da Prefeitura, devem começar em 30 dias.

Agora o governo vai reabrir a licitação colocada para consulta pública em novembro de 2009. Segundo Elton Santa Fé Zacarias, secretário de Infraestrutura, as obras para a construção do túnel devem começar em outubro. A conclusão da obra, prevista em 36 meses, vai ocorrer em 2014, ano de eleição para o governo do Estado.

É o maior e mais caro projeto viário da Prefeitura, que também planeja iniciar até o fim do ano a obra de outros dois túneis: um na Vila Mariana, entre a Domingos de Morais e a Ricardo Jafet, e outro na zona norte, entre as Avenidas Engenheiro Caetano Álvares e Cruzeiro do Sul.

Tensão. A votação do túnel da Imigrantes foi a mais tensa da noite de ontem, incluindo o reajuste do salário de Kassab. Logo após Juliana Cardoso (PT), em tom irônico, entregar um trator de brinquedo ao presidente da Câmara, José Police Neto (sem partido), houve revolta entre os governistas. A vereadora pedia ao presidente que ele entregasse o trator para o prefeito remover as famílias das favelas e construir logo seu túnel. "Não está sendo respeitada a independência dos Poderes Legislativo e Executivo. O presidente não é o office-boy do prefeito", criticou Cláudio Fonseca, líder do PPS. No meio da briga, Aurélio Miguel (PR) entrou em defesa da petista. "O senhor não falou nessa independência quando o prefeito interferiu na Casa para eleger a Mesa Diretora que você apoia", retrucou o ex-atleta.

Moradores das favelas que serão removidas, incluindo as chamadas Rocinha e Vietnã, chegaram a fazer apelos aos prantos para que os vereadores não votassem o texto. Para o líder de governo Roberto Trípoli (PV), porém, o projeto para a construção do túnel e de um parque recupera um fundo de vale degradado e ocupado irregularmente ao longo dos anos, como é o caso do entorno do Córrego Água Espraiada. "Haverá a transferência para conjuntos habitacionais. O atendimento habitacional é a primeira prioridade do projeto."

Súplica

FRANCISCA DE JESUS
DONA DE CASA, DE 69 ANOS, MORADORA NA FAVELA BEIRA RIO

"Vou perder a casa onde moro há 14 anos, por favor, vocês não podem pensar só nos carros que vão para a praia"

DEZ ANOS DE IDAS E VINDAS DO PROJETO

2001
Operação
Urbana prevê túnel de 400 m

2007
Kassab apresenta um
projeto de túnel de 4,5 km e custo de R$ 2 bilhões

2008
Traçado passa a ter 3,7 km e custar R$ 2,7 bi

2009
Texto segue para consulta pública

2011
Projeto final
prevê 2,7 km por R$ 3,7 bi

quinta-feira, 30 de junho de 2011

SP: perto de concluir complexo viário

Obras na Padre Adelino iniciaram em 2007

Iniciadas em 2007, as obras do complexo viário Padre Adelino estão próximo de serem finalizadas. De acordo com a prefeitura de São Paulo, os serviços estão concluídos na nova faixa do viaduto Pires do Rio e os viadutos Catiguá/Balem e o estaiado Padre Adelino.

As alças de acesso estão em andamento. Também estão sendo finalizados reparos nas calçadas da avenida Salim Farah Maluf.

O valor contratual tem por base julho de 2004 e sofreu correções monetárias no período, conforme previsto em Lei. Também houve alterações de projeto, em geral para facilitar o entendimento com as famílias desapropriadas e outros fatores supervenientes.

O prazo para execução da obra se estendeu principalmente por conta das desapropriações, em especial, o terreno da cabeceira do viaduto, cuja imissão na posse foi concedida em abril.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Roberto Carlos constrói prédio, mas quer eliminar 13º andar

17/06/2011 - O Estado de São Paulo, Jotabe Medeiros

Cantor lançou em São Paulo um luxuoso edifício de 40 andares na avenida Juscelino Kubitscheck, sua primeira empreitada no ramo imobiliário

SÃO PAULO - O cantor Roberto Carlos lançou em São Paulo um luxuoso edifício de 40 andares na avenida Juscelino Kubitscheck, sua primeira empreitada no ramo imobiliário. Mas quer eliminar o 13º andar. "Nos Estados Unidos eles não têm problemas em relação a isso, mas aqui está difícil", contou ao Estado o cantor, que tenta pular direto do 12º para o 14º andar por conta de sua superstição em relação ao número 13. A Prefeitura de São Paulo recusou o pedido, mas Roberto disse que não vai desistir, vai continuar tentando.

Thiago Queiroz/AE
Cantor participou da festa de lançamento do empreendimento

O edifício, batizado com o nome de Horizonte Home and Office, deverá estar pronto em dois anos, um investimento de R$ 200 milhões. O numero 13 não é o único empecilho - a própria mania perfeccionista do cantor faz com que detalhes do projeto (do arquiteto Itamar Berezin) sejam mudados a todo instante. "Mas ele (Roberto) já está fazendo shows no dia 13", contemporizou o empresário do artista, Dody Sirena.

Roberto lançou o empreendimento com seus sócios, para convidados, e cantou duas músicas: Além do Horizonte e Emoções. Depois, passeou com fãs e jornalistas por apartamento decorado por ele. O prédio mistura um bloco comercial, de 15 andares, e o residencial de 40 andares. Neste, Roberto terá um apartamento. "Não quero na cobertura. Estou em dúvida entre o 33º e o 34º andar", contou.

Grande parte das 266 unidades residenciais e das 80 unidades comerciais já está reservada. São 8 apartamentos por andar. O industrial Antonio Trofa e sua mulher Maria Cristina estão entre os que reservaram. "Ele não iria colocar o nome dele numa coisa que não fosse idônea", afirmou Antonio. O terreno foi adquirido há quatro anos, e o prédio deverá ser comercializado por um batalhão de 500 corretores nos próximos dias.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

SP testará faixa para carro com 2 pessoas

02/06/2011 - Jornal da Tarde, Circe Bonatelli

A Prefeitura de São Paulo prepara duas mudanças nas ruas da cidade. A primeira delas deve começar nas próximas semanas e se refere à implementação de uma faixa exclusiva para carros que trafeguem com mais de uma pessoa a bordo. O objetivo dessa medida, segundo a prefeitura, é priorizar o transporte coletivo.

A outra mudança, ainda sem previsão de data para entrar em vigor, é a utilização das ciclofaixas durante os dias de semana, com o objetivo de incentivar o uso da bicicleta como um meio de transporte. Hoje, o uso das ciclofaixas é restrito a domingos e feriados, como uma opção de lazer.

O anúncio preliminar foi feito hoje (2) pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, durante a Cúpula C40, reunião de prefeitos de metrópoles de vários países para debate das mudanças climáticas.

Segundo Kassab, a faixa exclusiva para carros com mais de um passageiro já está em estudo pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), e um projeto piloto deve ser implementado nas próximas semanas.

Já o projeto de extensão das ciclofaixas também está em estudo, mas sem previsão de data para entrar em vigor. O prefeito adiantou que ele será implementado como teste, um dia por mês, nas ciclofaixas já existentes.

“Essa é uma ideia minha que deixa os diretores da CET de cabelo em pé”, contou Kassab. “Vamos avaliar a implementação da ciclovia permanente na cidade de São Paulo. É um legado que quero deixar para as próximas gestões.”

São Paulo tem hoje 45 quilômetros de ciclofaixas que interligam os Parques das Bicicletas, do Ibirapuera, do Povo, Villa-Lobos, através de uma faixa exclusiva sinalizada nas ruas para uso das bicicletas.

sábado, 28 de maio de 2011

Pedestre terá de erguer mão na faixa

28/05/2011 - O Estado de São Paulo, Renato Machad

Campanha contra os atropelamentos recomendará a motoristas que parem diante do gesto, em locais onde não há semáforos

Um pedestre se aproxima da faixa de segurança, estica o braço para a frente e logo em seguida todos os carros param para esperar sua passagem. A cena comum em Brasília e nos países desenvolvidos pode começar a virar realidade em breve em São Paulo. Pelo menos é o que espera a Secretaria dos Transportes, que na segunda vai começar a orientar as pessoas a fazer o movimento sempre que forem atravessar uma rua ou avenida na faixa - em locais onde não há semáforos.

Andre Dusek/AE-07/5/2010

Exemplo. Solução foi adotada com sucesso em Brasília

A recomendação estava presente em uma portaria publicada na edição de ontem do Diário Oficial da Cidade. Os pedestres devem fazer o sinal com o braço para solicitar a parada dos veículos sempre que a distância entre os dois for de até 50 metros. O texto, no entanto, faz a ressalva de que as pessoas a pé devem levar em conta a "visibilidade, a distância e a velocidade" dos automóveis para evitar acidentes.

Outra recomendação é que o chamado "gesto do pedestre" seja feito em vias mais movimentadas apenas quando houver um grupo de pessoas para atravessar. Sempre que houver agentes de trânsito, continua valendo a determinação da autoridade.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) afirma que vai inicialmente orientar motoristas e pedestres sobre o respeito aos sinais. "Nas próximas semanas, a 1.ª Zona de Máxima Proteção ao Pedestre na região central e Avenida Paulista receberá uma ação específica para a orientação de pedestres e motoristas em relação ao uso do "Gesto do Pedestre"", informou. Em um segundo momento, haverá aperto na fiscalização e, consequentemente, aumento na quantidade de multas aplicadas.

Brasília. O sinal com o braço acabou virando uma das marcas do bem-sucedido programa implementado em Brasília para aumentar o respeito aos pedestres. A medida, no entanto, veio acompanhada de educação de motoristas de ônibus e táxis, orientação de pedestres e motoristas em todas as faixas e depois um aperto na aplicação de multas.

Para especialistas, a adoção do gesto pode ser prematura. "Em Brasília, melhorou bastante, porque houve um programa intenso e com muita punição, muitas multas", diz o professor da USP Jaime Waisman. "É preciso colocar semáforos com foco para pedestres e agentes em todos cruzamentos, se quiser que a campanha dê certo", diz o consultor Horácio Figueira. 

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Rodoanel é utilizado como via expressa, diz Karla Bertocco

27/05/2011 - Brasil Econômico


Assessora da Secretaria de Transportes e Logística do Estado de São Paulo, Karla Bertocco, afirma que o projeto do Rodoanel está sendo reavaliado, uma vez que perdeu sua função inicial

Segundo a assessora, o Rodoanel - que previa o transporte majoritário de cargas - acabou perdendo sua função inicial.

“Estamos revendo o Rodoanel porque as pessoas estão usando o canal como uma avenida 23 de maio e a nossa expectativa era que fosse majoritariamente para transporte de carga”, sinalizou Karla. “O investimento somente nos canais rodoviários não serão suficientes”. A previsão é de um aumento de R$ 13 bilhões em apliações de rodovia, duplicação e melhorias no traçado.

Esse valor deve abarcar a duplicação da Rodovia dos Tamoios por meio de uma parceria público-privadas - formato ao qual o Estado já está bastante acostumado, graças a suas 19 rodovias concedidas à administração privada. O relevo do percurso prevê que o traçado seja semelhante ao do sistema Anchieta-Imigrantes, onde a nova rodovia e a antiga não passam necessariamente pelo mesmo trajetos.

No entanto, o projeto de maior relevância para o estado é do contorno de São Sebastião, cujo investimento ultrapassa pos R$ 4 bilhões. “Essa estrutura é fundamental para que possamos acessar ao porto de São Sebastião de forma mais eficiente e produtiva”, sinalizou a assessora.

Karla também apontou que o governo federal tem apoiado a aproximação entre as ferrovias e o modal hidroviário. “Temos um investimento do governo federal na ampliação da extensão de um dos modais hidroviários em cerca de 255 km para se aproximar das ferrovias”, ressalta.

A assessora não deixou de lado a preocupação com os modais aeroviários. “Poucos sabem, mas tempos 31 aeoroportos regionais, sendo que seis são de viações comerciais e outros operam alguma viação executiva e transportes de cargas.”

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Prefeitura dá autorização e obras do Itaquerão podem começar 4ª

24/05/2011 - Folha de São Paulo, Bernardo Itri do Painel FC

A Prefeitura vai publicar no "Diário Oficial" desta quarta-feira a autorização para o início das obras do Itaquerão.

Até então, o Corinthians tinha autorização da secretaria de Habitação, mas agora terá também da coordenação da subprefeitura, que autorizará a instalação do canteiro de obras.

O estádio, que concorre para receber o jogo de abertura do próximo Mundial, está previsto para o final de 2013 ou início de 2014. Tem que começar a ser erguido no meio deste ano, pois a conclusão demora 30 meses.

Werner Sobek Engineering & Design/Divulgação 

Inicialmente, o clube paulista pretendia começar as obras em abril, depois adiou para maio e, na última segunda-feira, parou de dar datas e informou que "o início das obras ocorrerá em breve".

A partir da publicação no "Diário Oficial", o Corinthians já pode começar as obras no mesmo dia.

A Odebrecht tinha apresentado o valor de R$ 1,07 bilhão para a construção do estádio corintiano, que foi o escolhido para receber a abertura da Copa-2014.

O clube conta até agora com R$ 400 milhões do empréstimo do BNDES e R$ 240 milhões dos Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento, da Prefeitura de São Paulo, para erguer o estádio.

DESPESAS

O Corinthians terá que gastar mais dinheiro no Itaquerão após a disputa da Copa do Mundo-2014. Além de dinheiro, o clube terá que esperar também mais quatro ou cinco meses após o Mundial para mandar seus jogos no estádio.

A estimativa da diretoria é de despesas entre R$ 50 milhões e R$ 60 milhões para deixar a arena com a cara do clube. É que o estádio da abertura do Mundial tem instalações específicas, inúteis para o Corinthians.

'O que me deixa mais puto é o seguinte: vou entregar o estádio em dezembro de 2013 e só vou poder usufruir dele em outubro ou novembro de 2014', disse à Folha o diretor de marketing do clube, Luis Paulo Rosenberg. Reclamação em tom bem-humorado, sem irritação com a Fifa.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Começam a valer hoje as 8 Zonas de Máxima Proteção ao Pedestre em SP

11/05/2011 - O Estado de São Paulo, Renato Machado

Foto: Daniel Teixeira/AE


Motorista terá de parar na faixa sempre que alguém estiver tentando atravessar; agentes atuarão principalmente na região central.

Motoristas paulistanos têm, a partir de hoje, de parar nas faixas de pedestre quando houver alguém atravessando - comportamento que já deveria ser obrigatório, segundo o Código de Trânsito Brasileiro. Começarão a valer em oito pontos da cidade as Zonas de Máxima Proteção ao Pedestre (ZMPPs), a mais recente tentativa de mudar comportamentos e reduzir atropelamentos.O objetivo do programa é criar áreas onde a travessia dos pedestres será feita com a máxima segurança. Haverá reforço de agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) nesses locais e de orientadores de tráfego - pessoas que vão ficar com bandeiras e balançá-las na frente dos motoristas, sempre que uma pessoa estiver atravessando sobre a faixa de pedestres.

Inicialmente, haverá ações apenas nas 8 ZMPPs, formadas provavelmente por dez cruzamentos. Essas áreas estão em um perímetro compreendido pelas Avenidas Duque de Caxias e Paulista - os limites laterais serão a Rua da Consolação e as Avenida Liberdade e do Estado. O objetivo em um segundo momento é expandir a campanha para outras regiões da capital.

A lista completa com os pontos será divulgada na manhã de hoje pelo secretário dos Transportes, Marcelo Cardinale Branco. Mas já estão certas ações nos cruzamentos das Avenidas Ipiranga com São Luís e no perímetro formado pelas Ruas da Consolação, Martins Fontes, São Luís e Xavier de Toledo. Foram colocadas 470 placas pela região central com a frase “Na conversão, a prioridade é sempre do pedestre”.

Multas. Inicialmente, a CET vai dar preferência a orientar motoristas que cometerem infrações nessas áreas. A companhia alerta, no entanto, que após um período não especificado de adaptação vai intensificar a aplicação de multas aos infratores.

A campanha é inspirada na experiência de Brasília dos anos 1990 (veja mais informações ao lado). Em 2010, 630 pedestres morreram no trânsito de São Paulo - metade do total de mortos em acidentes na cidade.

Campanha. A Organização das Nações Unidas lança hoje a década mundial de campanhas para redução no número de vítimas do trânsito. Por ano, 1,3 milhão de pessoas morrem em acidentes e outros 50 milhões ficam feridas. No Brasil, o lançamento será às 18h, quando o Cristo Redentor será iluminado de amarelo. O mesmo ocorrerá na Torre Eiffel em Paris, na Muralha da China e na Times Square, em Nova York, entre outros monumentos mundiais.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Obra em Itaquera começa em maio, diz secretário da Copa de SP

06/05/2011 - Portal 2014

Gilmar Alves afirma que só falta a aprovação do Relatório de Impacto de Vizinhança

O secretário especial da Copa de 2014 da prefeitura de São Paulo, Gilmar Tadeu Ribeiro Alves, declarou hoje que as obras do estádio do Corinthians em Itaquera serão iniciadas ainda neste mês de maio. O anúncio foi feito hoje (6), durante seminário organizado deputados paulistas na Assembleia Legislativa.

Gilmar Alves afirmou que o início dos trabalhos depende apenas da aprovação do Relatório de Impacto de Vizinhança pela Secretaria do Verde e do Meio Ambiente. "O Corinthians tinha um óbice, que envolvia o terreno, mas após a assinatura do Termo de Ajustamento de Conduta assinado com o Ministério Público e a prefeitura, só falta o relatório de impacto de vizinhança, que deve ser aprovado na próxima semana", disse o secretário.
Futura Arena Corinthians, em São Paulo (crédito: CDC Arquitetos/Divulgação)

Presente ao encontro, o ministro do Esporte, Orlando Silva, disse estar satisfeito com a aparente solução do problema do estádio em São Paulo. "Espero que os próximos dias estejam defintivamente próximos, porque o Corinthians e a prefeitura sempre me dizem que as obras começarão nos próximos dias", alfinetou o ministro.

Além do secretário Gilmar Alves e do ministro Orlando Silva, o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, também participou do seminário, mas não apresentou novidades sobre o projeto, financiamento ou sobre as negociações com a construtora Odebrecht. O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, e o prefeito Gilberto Kassab não compareceram.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

CCDI e CCP iniciam obras de projeto inovador de torre comercial e shopping na Avenida Paulista

04/05/2011 - Camargo Corrêa

Em um dos terrenos mais conhecidos e bem localizados de São Paulo, empreendimento presenteará paulistano com uma nova área verde, composta por árvores nativas da Mata Atlântica.



As incorporadoras Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário (CCDI) e a Cyrela Commercial Properties (CCP) iniciam este mês a obra de um empreendimento que deve se tornar mais um marco da cidade de São Paulo. Localizado na Avenida Paulista, o projeto – complexo formado por torre comercial e shopping center, prevê uma área verde de 2.380 metros quadrados aberta ao público, com árvores de variadas espécies, áreas de circulação, estar e acessibilidade. O projeto está previsto para ser entregue no 1º semestre de 2015.

Para resgatar a vegetação original da região serão preservadas 60 árvores do terreno e plantadas 106 novas mudas originais da Mata Atlântica. Ainda como forma de compensação ambiental, as empresas Incorporadoras farão obras e serviços de revitalização no Parque Siqueira Campos (Trianon-Masp), em conformidade com o projeto aprovado pela Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente.


Pré-certificação
A preocupação com o meio ambiente também se reflete na construção do empreendimento. A obra recebeu a précertificação LEED C&S (Leadership in Energy and Environmental Design for Core and Shell), na categoria Gold, selo verde de reconhecimento internacional concedido pelo United States Green Building Council (USGBC), organização sem fins lucrativos que defende a construção sustentável. Para recebê-la, foi necessário atender aos requisitos para localização, eficiência no consumo de água, eficiência energética, qualidade do ambiente interno, utilização de materiais sustentáveis e inovação em projeto. A certificação definitiva será obtida após a conclusão da obra e comprova a preocupação das empresas com a responsabilidade socioambiental da região onde o empreendimento será implantado.

Alargamento de ruas e sinalização

Para aliviar possíveis impactos no trânsito da Avenida Paulista, CCDI e CCP irão promover uma série de melhorias na região, como investimentos em semáforos, controladoras, câmeras, sinalização, travessias, além de alargamento das ruas Pamplona e São Carlos do Pinhal.

O tamanho do empreendimento:

Torre de escritórios: 13 pavimentos com lajes corporativas de 1.500 a 2.000 m².

Shopping Integrado à torre de escritórios: 5 pavimentos, 142 lojas, praça de alimentação com 19 opções de fast food, 9 restaurantes, 6 salas de cinema, teatro, além ser serviços de apoio e conveniência.

Estacionamento: 1.500 vagas de garagem, com 7 subsolos. O projeto está previsto para ser entregue no 1º semestre de 2015.

terça-feira, 26 de abril de 2011

Bulevar vai cobrir avenida do Estado

26/04/2011 - Folha de São Paulo, Evandro Spinelli

Área sobre o rio Tamanduateí ligará Mercadão a centro gastronômico que será construído no terreno do prédio São Vito.

Projeto para a região do parque Dom Pedro, no centro de São Paulo, será apresentado nesta semana pela prefeitura

No lugar do famoso treme-treme, um centro gastronômico. No lugar da avenida degradada, um bulevar.

O terreno do antigo edifício São Vito, que já está em fase final de demolição, será utilizado para a construção de um centro gastronômico ligado ao Senac e de um estacionamento subterrâneo.

O complexo será interligado ao Mercado Municipal, logo em frente, por um bulevar que cobrirá a avenida do Estado e o rio Tamanduateí por um trecho de cerca de 240 m.

Já a avenida será "rebaixada" -ou seja, vai virar um túnel- no trecho entre a avenida Mercúrio e a rua General Carneiro. O viaduto Diário Popular será demolido.

Com isso, o Mercadão será integrado ao parque Dom Pedro, onde já existe o museu Catavento, no Palácio das Indústrias, sem a travessia de avenidas movimentadas.

Ao redor do parque haverá uma série de equipamentos culturais e de ensino. As âncoras do projeto são o Mercadão, o museu Catavento, o futuro Museu da História de São Paulo, na Casa das Retortas, e o novo prédio do Senac, onde serão ministrados cursos de gastronomia.

Também haverá mudanças no terminal de ônibus do parque Dom Pedro e obras em vários pontos do entorno.

Todas essas melhorias descritas, no entanto, ainda dependem de mais parcerias, como a fechada com o Senac. A prefeitura não tem prazo nem custo do projeto.

O plano de revitalização da região do parque Dom Pedro foi elaborado pela Fupam (Fundação para a Pesquisa Ambiental), a um custo de cerca de R$ 500 mil.

Nesta semana, deve ser feito o anúncio oficial de todos os detalhes do projeto, nas mãos do prefeito Gilberto Kassab (que saiu do DEM para fundar o PSD) desde quinta-feira da semana passada.

GARAGENS

Em todo o complexo devem ser criadas cerca de 2.000 vagas de garagem. A falta de vagas para estacionar é uma das principais reclamações dos comerciantes e consumidores do Mercadão.

Uma das garagens ficará embaixo do Senac. A instituição ligada ao comércio já fechou o acordo com a prefeitura em relação à escola de gastronomia. A questão da garagem, no entanto, ainda está em negociação, já que envolve uma concessão do serviço que a prefeitura quer fazer neste semestre.

Oficialmente, o Senac diz que mantém negociações com a prefeitura, mas que ainda não está definida a forma de utilização do espaço.

Outra garagem será em duas quadras inteiras da rua 25 de Março, onde já existe um edifício-garagem irregular da década de 1980. No lugar será erguido um shopping popular para camelôs da 25. A garagem ficará no subsolo.

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Lerner propõe boulevar sobre linhas

06/04/2011

Projeto criaria um parque sobre as linhas da CPTM

O urbanista e ex-prefeito e governador do Paraná Jaime Lerner apresentou uma proposta de um parque linear sobre o traçado das linhas da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos. A ideia é construir uma estrutura semelhante a um boulevard, onde na parte superior circulariam carros elétricos, bicicletas e pedestres, e na inferior passariam as linhas da CPTM. O projeto foi apresentado durante a 5ª edição do Prêmio SAE Brasil de Jornalismo, na segunda-feira (04/04), em São Paulo.

Segundo Lerner, as linhas da CPTM não seriam fechadas. Elas receberiam o parque como cobertura e as laterais permaneceriam abertas.  O parque linear seria conectado a empreendimentos, que pagariam parte dessa estrutura.

“Não podemos resolver o problema de mobilidade hoje com esse falso dilema: ou o carro ou o metrô. Não é aumentando o número de vias nas marginais que vamos resolver o problema de mobilidade e não é apostando em mais uma linha, porque não vai resolver mais uma linha de metrô.É preciso melhorar tudo.O segredo da mobilidade está em não competir o mesmo espaço de um sistema com outro, eles serem complementares”, explicou o urbanista.

O diretor de transporte da SAE Brasil e presidente da Abifer, Vicente Abate, achou interessante o projeto do parque linear apresentado por Lerner. “Como ideia eu acho fantástico, uma cidade do futuro, onde pudesse ter transporte de superfície ferroviário ou metroviário e em cima carros elétricos. Mas é muito futuro para nós, infelizmente”.

Abate defende a integração dos sistemas de transporte para melhorar a mobilidade urbana. “É o nosso futuro o equilíbrio no transporte, não só de carga, que precisa também, mas principalmente no transporte urbano, o transporte sobre trilhos sendo alimentado com linhas de ônibus, bicicletas, táxis”.

quinta-feira, 31 de março de 2011

Rodoanel terá R$ 5,1 bilhões em recurso

11/03/2011 - Webtranspo

Governo vai investir nos trechos Sul e Leste

Governo firmou contrato nesta quinta-feira, 10

O governo de São Paulo, a Artesp e o Consórcio SPMar assinaram nesta quinta-feira, 10, o contrato para a operação do trecho Sul e a construção do trecho Leste do Rodoanel Mario Covas.

Conforme anunciado, a licitação ocorreu em novembro do ano passado e resultou no maior deságio do programa de concessões rodoviárias: as tarifas de pedágio ofertadas ficaram 63,3% menores que o teto estipulado em edital, resultando, à época, em R$ 2,1991 para o Trecho Sul e R$ 1,6493 para o Trecho Leste.

Com isso, os investimentos a serem feitos pela concessionária nos trechos estabelecidos totalizam a cifra de R$ 5,194 bilhões. Deverão ser feitos reparos na sinalização, operação tapa-buracos onde houver necessidade, remoção de lixo e entulho e corte e poda de árvores e arbustos. A concessionária também será responsável pelo SAU (Serviço de Atendimento ao Usuário), serviço de primeiros-socorros médicos e assistência mecânica.

Depois de finalizado, o Rodoanel contará 170 quilômetros de extensão, divididos em quatro trechos. O empreendimento tem como objetivo interligar dez rodovias que chegam à capital do Estado: Fernão Dias, Dutra, Ayrton Senna, Anchieta, Imigrantes, Régis Bittencourt, Raposo Tavares, Castello Branco, Anhangüera e Bandeirantes.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

São Paulo tem plano B para substituir Itaquerão

05/01/2011 - Portal 2014

Governo estipula prazo para que Corinthians defina se construirá ou não seu estádio

Corinthians promete anunciar financiadores do Itaquerão neste mês (crédito: CDC Arquitetos/Divulgação)

O novo governo de São Paulo continua apoiando o estádio do Corinthians para a Copa de 2014, mas já trabalha com um plano B caso o clube não consiga viabilizar a obra. 

“Essa situação tem que estar definida ainda neste mês porque já estamos em 2011, temos a Copa das Confederações em 2013 e o Mundial em 2014”, afirmou ao jornal “Folha de S.Paulo” o secretário de Esportes de São Paulo, Jorge Roberto Pagura. 

Segundo a reportagem, garantir a abertura do Mundial na capital paulista virou uma obsessão do novo governo. Por isso a pressão para uma rápida definição da arena que representará a cidade.

Até o momento, o Corinthians tem garantias para erguer um estádio para 48 mil pessoas. A obra custaria R$ 350 milhões e seria bancada pela Odebrecht. Mas o clube precisa de ao menos R$ 600 milhões para um estádio que comporte a abertura do Mundial, com o mínimo de 65 mil lugares.

O presidente do Corinthians, Andres Sanchez, afirma que até o final de janeiro anunciará as empresas que bancarão a obra, entre elas uma estatal.

Outros eventos
O governo de São Paulo também pretende intensificar as ações para trazer o maior número de eventos paralelos e estruturas de suporte à Copa de 2014. A festa de abertura, o Congresso da Fifa e o centro de mídia (IBC - International Broadcast Center) estão nos planos da cidade.

"[Além da abertura] queremos também o IBC. E não tenho dúvidas de que o Congresso da Fifa deve vir para São Paulo. Em termos de hotelaria cinco estrelas, a cidade é uma das mais preparadas para esse evento", disse Pagura.